21 de junho de 2012

MD !


Alguém ai se Lembra do MiniDisc !

    Com a necessidade de se impor no mercado e devido ao fracasso do formato DAT, a Sony lançou   Mini Disk (MD), que não é mais que um mini CD regravável, dentro de uma caixa protectora.
Embora o MiniDisc tenha tido certo sucesso, ele não surpreendeu muito nos EUA e na Europa como a Sony esperava, porém, no Japão era um sucesso absoluto, sendo muito popular. O pouco sucesso também era devido ao alto custo na produção de álbuns em MD, alguns álbuns foram realizados pela própria Sony, mas com o tempo houve uma descontinuidade do processo. O produto (MD) foi licenciado para outras companhias produzirem também, como: JVC, Sharp, Pioneer, Panasonic entre outras.


Características Físicas
MiniDisc Hi-MD


     O disco é permanentemente guardado em um cartucho de 68×72×5 mm com um clip deslizante que só abre quando o disco é inserido no aparelho, sendo similar a um disquete 3"½. O disco é regravável; quando está sendo gravado algo no MD, é usada à forma magnética-óptica. O laser queima um lado do disco para fazê-lo suscetível a forma magnética para então gravar os dados. Uma cabeça magnética do outro lado do MD altera a polaridadeda área "queimada", gravando os dados digitalmente no MD. Quando for feita a leitura dos dados armazenados, a luz do laser identifica o local alterado magneticamente e assim interpreta os dados como 1 ou 0 na linguagem digital. De acordo com a Sony, MDs regraváveis podem ser regravados até 1 milhão de vezes. A partir de Maio de 2005, são lançados MDs de 74 minutos e 80 minutos. Os MDs de 60 minutos, até então populares, tiveram a produção interrompida, tornando-se raro encontrar algum. Os MDs possuem um processo de leitura óptica do qual a qualidade se aproxima aos CDs, sendo o MD fisicamente diferente.
     MiniDiscs usam sistema regravável por meio de magnetismo-optico para armazenar os dados. Diferente de Cassete ou analógico Compact Audio Cassette, o MD é acessível aleatoriamente, tornando o acesso às músicas muito rápido. No começo do MD é gravada uma faixa que contém todas as informações sobre as posições de todas as tracks (faixas), pois quando somente algumas músicas são apagadas e outras são gravadas no lugar, será gravado nessa faixa inicial a posição dessas novas músicas, mesmo que tenham sido armazenadas em grupos diferentes.
     É importante dizer também que já existe o Hi-MD da Sony, ele pode armazenar até 45 horas de músicas no formato ATRACplus3 em 1 Gb de espaço para armazenamento.


Compressão


     O audio num MD é comprimido no formato ATRAC (Adaptive Transform Acoustic Coding). Um CD tem uma descompressão de 16 bits stereo linear PCM audio. A descompressão do codec ATRAC não terá a mesma qualidade que a música tinha antes de ser comprimida, mesmo que ao ouvir a música pareça igual. A última versão da Sony é o ATRAC3plus, Sharp, Panasonic, Sanyo e Pioneer tem seus próprios formatos, porém eles são interpolados, diferente do princípio do Codec da Sony. Atualmente não são mais fabricados,muitas radios usam para suas gravação de propaganda.


Fonte : http://pt.wikipedia.org/wiki/MiniDisc


Nenhum comentário:

Postar um comentário

CLICK E CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK









JÁ CURTIU NOSSA PÁGINA ? ENTÃO TA ESPERANDO O QUE ?


A Historia das Mixagens !!!






A história das mixagens remonta a era da Disco Music dos anos 70. A técnica de colocar uma música encaixada com a outra começou quando a disco estourou nas boates e os DJ's chamavam isso de "non-stop dancing". O DJ podia mixar as musicas e emparelhar as batidas desde que elas tivessem o mesmo tempo. Mas era só isso que eles faziam. A parte de usar as pick-ups para fazer scratches e outros efeitos surgiu na cultura do rap.Embora DJ's como Grandmaster Flash, Grand Wizard Theodore e Afrika Bambaataa eram as principais figuras da história do hip hop nos anos 70, os Mc's é que eram os principais lances do rap.Afinal de contas, para ter alguma chance nas rádios e um sucesso nas vendas as músicas precisavam de um toque mínimo de vocal pelo menos. No começo, os caras que mexiam com essas coisas de colocar som em festas eram extremamente desconhecidos e aquela tarefa era inevitavelmente sem brilho.Mas assim que o hip hop ganhou muita força nos anos 80, a discotecagem virou uma forma de tocar, assim como o Mc. Aqui as estrelas eram os DJ's e em vez de rimas e versos, eles tinham um som com performances de scratch’s, spinbacks, phasing, crab e algumas acrobacias sobre duas pick-ups.O músico Christian Marclay experimentou sinfonias com pick-ups no início dos anos 80, usando material de vários tipos de músicas.Em 1987 surgiu nos EUA um evento de mixagens com nome de D.M.C. ( Disco Mix Club ), que passou a organizar os maiores campeonatos de mixagens. A competição se tornou uma das principais formas de mostrar se o DJ era bom mesmo, praticando suas habilidades com as pick-ups e ganhando status. DJ's como Qbert, Mixmaster Mike, DJ Apollo e Rob Swift se tornaram as principais figuras da nova geração. Mas ainda hoje o D.M.C. ainda acontece e a cada ano que passa torna-se mais famoso e com maior numero de participantes, embora alguns aleguem que os resultados são de cartas marcadas, isso não tira a cobiça dos DJ’s em desfrutar dos prêmios e da ascensão quem um campeão recebe. Apesar dos álbuns de artistas de mixagens nunca tivessem ultrapassado as audiências do rock, o estilo ganhou vários fãs e vários seguidores que admiram a habilidade dos DJ's. Atualmente o DJ, que é um profissional estudioso na área musical, muitas vezes é confundido com pessoas que se auto intitulam "DJ" e que fazem encaixes desordenados e que só colocam músicas que estão fazendo sucesso no popular. Não possuem o principio básico de animação e comportamento profissional, denegrindo cada vez mais os bons profissionais da área.


DJ Fabio Reder